“A Proximidade Do PP E Cs É Evidente, Não Se Justifica A Fragmentação”

"A Proximidade Do PP E Cs É Evidente, Não Se Justifica A Fragmentação" 1

A fama de dama de ferro precede a entrevistada, que recebe o ABC em teu escritório do Congresso, limpo, funcional e nu, ainda sem um único alívio pessoal. Cayetana Álvarez de Toledo não pretende cair bem, nem falta que você faz.

Ela vem trabalhar, “pra fazer as coisas muito bem” pra conquistar que a “escolha de liberdade” se imponha a um PSOE que vê perdido, à deriva. —Você diz que tem um perfil enérgico, direitista, polêmico… o

—Como você define o teu perfil? —Eu sou uma espanhola, militante da democracia, que coloca a independência ao tribalismo, a igualdade perante a lei, a discriminação, e que acredita nos valores clássicos que tornaram possíveis a modernidade política e da civilização.

  • Um A remoção do prepúcio
  • Não delegar a sua responsabilidade
  • trinta de abril de 2013 – presente: Sua Majestade a rainha dos Países Baixos e Máxima
  • Sábado de Glória: Vigília Pascal

O perfil severo é uma invenção jornalística e política do identitarismo, não apenas nacionalista, mas neste momento bem como feminista. Isto em Portugal é que é diferente: por aqui a que propomos uma política baseada em dados e não em o clientelismo caciquil de grupos ideológicos organizados nos chamados reacionários.

E os reacionários, os chamados moderados. —O derechita covarde existe ou existiu? —É um slogan gabando e injusto. Para mim este tipo de expressões despectivas, de pura pirotecnia tuitera, não me interessam. —Por que você está no PP e não no Local ou Vox?

—eu Nunca poderia ter estado no Vox e, em troca, sim eu votei Cidadãos. A partir daí, o que é pertinente é o que fazemos com este espaço, que na minha avaliação vai além do centro-direita. É o extenso espaço da razão espanhola: da independência em frente ao coletivismo.